Home Entrevista: Jorge Ferreira

12 de agosto de 2020

Entrevista: Jorge Ferreira

Chamada para o Site:  Jorge Ferreira, que  conquistou a tríplice cora em 2020 , fala um pouco dele para a FBX.

 

Entrevista com o CM Jorge Ferreira

  • Você conquistou o título 18 anos depois. Por quê um jogador do seu nível ficou tanto tempo sem ele e qual a diferença entre 2001 e 2019?

Defendi o título em 2002 e acabei ficando com o vice campeonato. Após a final de 2002, decidi abandonar as finais, porque não aceitava jogar finais sem premiação em dinheiro. Não eram poucos os gastos para participar das finais! Tinha a taxa CBX, inscrição da semifinal e final. Naquela época, eu vivia de xadrez e cada centavo que ganhava era importante para mim. Também decidi ficar focado na minha vida pessoal. Nasci numa família humilde, não podia brincar de jogar xadrez. 

A diferença entre os dois títulos é a maturidade alcançada aos 43 anos.

  • Como foi a sua preparação para a competição? Você estudou seus adversários que considerava mais fortes? Quem?

Honestamente, não fiz nenhuma grande preparação para final. Passei meu tempo apenas tentando melhorar minha capacidade de cálculo. Sabia que os meus adversários, diretos, usariam o repertório de sempre. Então, senti que preparar seria perda de tempo. 

  • Como avalia o nível da competição?

O nível da competição foi bom, mas teria sido melhor com a participação dos MFs Paulo Jatobá e Diogo Duarte.

  • Em algum momento se sentiu inseguro e quando foi?

Entrei no torneio com “sangue no olho”. Cheguei na cidade de Feira de Santana com vontade de vencer e foi o que procurei demonstrar nos meus jogos. A partida decisiva com Zallio afetou um pouco, pois tive a vitória nas mãos e deixei escapar. Esta situação me fez lembrar da nossa partida no zonal, realizado alguns meses antes da final. Venci o zonal, mas deixei Zallio escapar numa posição completamente perdida com peça a menos. Não tive segurança para jogar no apuro e acabei cedendo o empate. Quando a partida da final terminou empatada fiquei um pouco abalado, mas um amigo chegou perto de mim e falou “você vai ganhar no desempate, você foi mais jogador que todos aqui este ano” finalizou dando um tapa nas minhas costas. Não posso negar, suas palavras me deram motivação para jogar as duas partidas de xadrez rápido que decidiriam o título. Enquanto esperava o início do match, eu ficava mentalizando as palavras do treinador da Fiona Mutesi do filme “A rainha de Katwe”. Ele disse para ela num torneio “o seu lugar é aqui” achei essa sentença muito forte quando assisti o filme. Acabei entrando com tudo para jogar o desempate e felizmente venci.

 

  • Qual foi a sua melhor partida e por quê?

Minha melhor partida foi jogada contra o meu amigo Luís Ulbrich. Ele decidiu empregar a defesa francesa e acabei escolhendo o sistema do avanço como resposta. Fui feliz no jogo, pois Luís decidiu jogar uma variante que eu já tinha boa experiência jogando contra. 

  • Como se sente tendo conquistado o título Baiano nas três modalidades? Qual dessas se considera mais competitivo?

Na verdade, o baiano clássico só contou com minha participação por causa das finais de rápido e blitz que venci. Vi a possibilidade de conseguir a tríplice coroa e fazer história no xadrez baiano. O único título baiano que não tinha conquistado era o de xadrez rápido, mas ele veio em 2019. Nunca carreguei comigo o desejo de ser inúmeras vezes campeão baiano absoluto, basta observar que não joguei finais durante mais de 10 anos. Você pode ganhar 10 vezes e o título permanecerá sendo o mesmo. 

Quanto à modalidade que sou mais competitivo, inicialmente, eu sou a única pessoa que pode responder esta pergunta! Não tenho a menor dúvida que é o xadrez pensado onde expresso mais a minha força. Meus melhores resultados sempre ocorreram nesse ritmo e não foram poucos dentro e fora do estado.

  • Qual seria o melhor modelo de competição para a disputa da final do baiano?

Acho o sistema schuring o mais justo, pois todos os jogadores devem enfrentar uns aos outros.

  • Como é atualmente sua rotina de estudos?

Não estudo mais horas e horas de xadrez, porque não tenho tempo e paciência para isso! Estou mais focado em análise de partidas e trabalho com cálculo. O tempo de estudo varia e vai depender do tempo livre em média 40 minutos ou 1 hora.  

  • Quais os livros que você mais gosta e indica para aqueles que querem progredir?

Todos os livros de xadrez nos oferecerão conhecimento, mas sempre temos aqueles que consideramos importantes para o nosso desenvolvimento. Gosto do “Tratado General del Ajedrez” volume 3 Roberto Grau, “Piense como um Grande maestro” Alexander Kotov, “Chess Structures” Mauricio Flores, “The Shereshevsky Method” Shereshvsky.

  • Qual o melhor enxadristas de todos os tempos na sua opinião e por quê?

Serei breve! Bobby Fischer é o maior de todos os tempos. Sozinho acabou com o domínio soviético no xadrez.

  • Qual a sua partida inesquecível?

Não tenho uma partida para pontuar como inesquecível, mas acho que recentemente joguei uma partida interessante contra o MI argentino Leandro Perdomo. Jogamos no Floripa open 2019 e a partida terminou empatada numa posição perdida para o MI. A partida foi interessante por causa da minha preparação o lance Ca4!? Peguei o mestre de surpresa e conquistei vantagem desde o início da abertura.

  • Qual é a sua lista dos 10 maiores jogadores da Bahia de todos os tempos?

Não quero criar polêmica, mas os jogadores que vi apresentar um xadrez de muita qualidade no nosso xadrez são: Pinto Paiva, Francisco Marotta, Paulo Jatobá, Daniel Góes, Bolívar Gonzalez, Carlos Paterson, Júlio Ramos, Manoel Paes, Adriano Barata e Diogo Duarte.

Sei que muitos dirão que faltou este ou aquele jogador, pois jogadores mais jovens não viram muitos dos jogadores da minha lista em ação. Muitos dirão já joguei com este ou aquele e venci, mas não quer dizer nada. Observem que o único sem título de campeão baiano é o Diogo Duarte. Título que ele conquistará mais cedo ou mais tarde. Claro que outros nomes surgiram a exemplo de Pedro Ferreira, Luciano Zallio, Vitor Mauricio e Rêmulo Aguiar. Todos fortes e talentosos, mas os nomes que estão na lista jogaram e alguns ainda jogam num nível de xadrez que me impressiona.

  • Como foi disputar o tie- break contra Zallio, qual era seu nível de confiança?

Como foi dito no início da entrevista, eu entrei com tudo para jogar o desempate contra Zallio. Não passava pela minha cabeça sair de Feira de Santana com o vice campeonato. Fui para lá para ser campeão, era a única coisa que passava pela minha cabeça durante todo o torneio. 2019 foi um ano onde venci todos os torneios importantes e alguns eventos com menos expressão e venci convincentemente. A conquista da final clássica foi uma mistura entre mérito e raça.

Fiquei surpreso quando Zallio decidiu jogar com as brancas uma abertura que permitiu a igualdade rapidamente. Quando tive a chance de jogar com as brancas, joguei com energia e muita vontade de vencer. Ao ver meu peão alcançar a casa b7 percebi que o título estava nas minhas mãos. Felizmente, o título ficou com quem teve os melhores resultados em 2019.

  • Você teve uma reação bastante explosiva quando saiu vitorioso da partida decisiva. Por que essa carga de emoção? O que passou por sua cabeça?

Tentaram transformar este momento de explosão em polêmica. Eu cheguei confiante para jogar a final e alcancei uma posição vitoriosa contra Zallio, após um apuro de tempo que me deixou com segundos, vi o título indo embora. Precisei me recompor e ouvir palavras de amigos para voltar a ficar confiante. Fiquei impressionado com o número de pessoas torcendo por mim. Até um dos árbitros veio até a mim, apertou minha mão e falou “vai dar você, tô torcendo por você” Estava contendo a ansiedade problema que sempre me acompanhou desde a infância. Quando veio a vitória, a emoção foi muito grande! Era a conquista da tríplice coroa! Estava entrando para história do xadrez baiano. Tinha vencido um desafio que procurei impor ao Jorge jogador de xadrez. Não posso negar que cheguei em Feira de Santana mentalizando “O favorito sou eu”, mas claro que respeitei todos os meus adversários como de costume. O título terminou nas mãos de quem deveria ficar com ele naquele momento. 

  • Quais seus planos futuros com o xadrez?

Criar um canal para ministrar aulas e dividir o pouco que sei sobre xadrez.

  • Gostaria de fazer algum agradecimento?

Primeiramente, agradeço a Deus pelos resultados obtidos no xadrez e na vida pessoal em 2019. Também agradeço aos amigos, Luís Ulbrich, Carlos Bruno, Tiago Seixas e Alexandre Palomino pelos momentos de muitas resenhas e alegria. Agradeço o apoio psicológico também oferecido por eles.

 

Bate bola jogo rápido 

 

Um campeão mundial: Bobby Fischer

Um esporte: Xadrez: 

Um atleta: Ronaldo “fenômeno”

Um treinador: Dvoretsky

Uma referência: José Pinto Paiva

Uma jogadora: Judit Polgar

Um sonho: Ver um dia o xadrez sendo um dos esportes mais populares no mundo

Categoria

  • Notícias

  • Galeria

  • Nossos Parceiros