Home Entrevista: Vinícios Barros

12 de agosto de 2020

Entrevista: Vinícios Barros

Estudante do Colégio Integral, nascido em Salvador-BA, tenho um irmão mais velho e gosto muito de pesquisar e descobrir coisas novas. Quando crescer, quero trabalhar na área aeronáutica mas também quero manter o xadrez como um dos meus hobbies principais.

 

ENTREVISTA COM VINICIUS BARROS

 

Qual foi o seu primeiro contato com xadrez?

Foi quando eu decidi levar um tabuleiro para minha escola. Naquela época eu sabia apenas “mexer as peças”, mas ainda não tinha noção nenhuma. Um colega meu da outra sala se interessou e a gente começou a jogar todos os dias antes da aula começar. Aos poucos, fui conhecendo melhor o jogo e descobrindo algumas estratégias para tentar vencê-lo, e ele idem. 

 

Quando percebeu que podia competir em bom nível?

Houve uma olimpíada esportiva no colégio e eu me candidatei para a vaga masculina do torneio de xadrez. Na véspera, foi o meu primeiro contato com as aberturas e eu pude ver (muito superficialmente) como cada uma funcionava. Acabei o campeonato em 1º lugar e, satisfeito com a medalha de ouro, resolvi continuar estudando e jogando on-line.

 

Como é seu treinamento, você tem uma rotina disciplinada de estudos?

Eu não tenho um horário definido para estudar todo dia, embora eu estabeleça que devo fazer pelo menos 4 horas por semana. Nesse período, eu foco em analisar as partidas mais recentes dos GMs, melhorar meu repertório de aberturas e o estudo de finais; quando sobra algum tempo eu também jogo blitz e rápidas.

 

Pretende chegar a ser um GM?

Para falar a verdade, não. Eu acredito que a partir do momento em que você decide se tornar um GM, a sua vida vai “girar em torno” de estudar xadrez e jogar torneios se tornará praticamente a sua profissão. Vou continuar estudando e aperfeiçoando meu xadrez, mas sem ter como meta uma titulação (embora, se isso acontecer, será muito bem-vindo).

 

Quais seus principais títulos conquistados?

Talvez o meu título mais importante foi o de Campeão Nordestino de Xadrez Escolar do 8º ano, torneio que disputei em Aracaju-SE. Também venci a 1º etapa do FEEPS 2019 aqui em Salvador, mas fiquei com prata na segunda etapa. Por último, fiquei em segundo também nas classificatórias para os Jogos Escolares da Juventude, em 2019.

 

Como considera o nível do xadrez juvenil na Bahia?

Eu considero o xadrez juvenil na Bahia, no espectro regional, muito forte e que vem revelando com frequência novos talentos. Já no contexto nacional, por conta de estados com maior infraestrutura como São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul, se destaca um pouco menos, mas tem um potencial inegável nesse setor.

 

Como é representar a Bahia na competição Nacional?

Sem dúvidas, representar a Bahia nesse contexto de competição nacional é uma grande realização e também uma grande responsabilidade. Afinal, estarei levando, junto com meu “colega de time”, o nome do estado nas costas. Mas claro, farei o possível para que essa “pressão” não afete os meus resultados.

 

Você tem ideia dos seus principais adversários? Vai analisar com seu técnico suas partidas

Eu acredito que, por se tratar de um torneio infanto-juvenil, a maioria dos jogadores (incluindo eu) não tem partidas registradas. Por isso, eu estou tentando estudar ideias gerais, que se aplicam a praticamente todos os jogos, para prever possíveis planos do meu adversário. E sim, meu técnico está sendo fundamental nesse estudo, principalmente na parte de treinamento tático e criação de planos.

 

O que seria ter um bom resultado no FENAC?

Para mim, ter um bom resultado no FENAC seria poder representar bem a Bahia nesse cenário nacional. Mostrar que outros estados também têm chance de figurar entre os melhores (e quem sabe o melhor) do torneio. É claro que vencer todas as partidas seria extraordinário, mas eu já estaria feliz apenas em participar mesmo do torneio.

 

O que o xadrez representa na sua vida?

O xadrez representa atualmente, para mim, um dos meus hobbies principais. Quando preciso relaxar ou me divertir, geralmente assisto os confrontos de GMs na televisão ou jogo algumas partidas on-line. É talvez o melhor dos passatempos, porque estimula o cérebro, desenvolve o raciocínio lógico, dentre vários outros benefícios; com certeza, o xadrez é algo que eu desejo levar para o resto de minha vida

 

Bate bola jogo rápido 

 

Um campeão mundial – Kasparov

Um esporte – Xadrez

Um atleta – Ivanchuk

Um treinador – Zallio

Uma referência – Bobby Fischer

Uma jogadora – Susan Polgar

Um sonho – Contribuir para o avanço da humanidade.

 

 

Categoria

  • Notícias

  • Galeria

  • Nossos Parceiros